quinta-feira, 17 de setembro de 2009

A morte no banheiro


Era feriado, mas os planos eram de semana. Estava em provas, e precisava estudar. E também estava na TPM, ou seja, não estava lá tão bem. Acordei já abusada com a vida. Minha terapia na tensão pré-menstrual é a limpeza e arrumação, então apesar de ter que estudar, decidi arrumar meu quarto que precisava de uma limpeza nos livros e discos de vinil. Depois de passar a manhã completa mais um pedaço da tarde enfurnada no meu espaço entre quatro paredes, lavei os pratos e tomei banho para começar os estudos. Até aí você pode achar que apesar da minha TPM, meu dia poderia estar bem. ERRADO. O já considerado filho da puta do meu vizinho decidiu fazer uma ‘festinha’ e nisso, pôs a altura do som em um nível absurdo para uma região residencial. Como estudar se nem me concentrar eu poderia no barulho infernal que estava? Fui até a casa do infeliz e pedi que a altura do som fosse abaixada. Porém, minhas palavras foram ao vento. Mais estressada que um trabalhador da bolsa de valores em um dia de altos e baixos, pesquisei sobre a Lei do silêncio e vi que meu vizinho poderia ser preso por 15 dias. Ou até mesmo 3 meses! Quase que eu ligava para a polícia, porém minha mãe me impediu, dizendo que eu devo saber conviver com as pessoas, e não deveria arranjar confusão com o vizinho. Controlei-me e mais uma vez pedi que a altura do som fosse abaixada. NADA. Era como se eu estivesse falando com uma parede. Minha mãe continuou me impedindo de ligar para a polícia, e a única coisa que eu poderia fazer era rezar pela morte de um vizinho tão ruim. Milagrosamente, mesmo com o som, consegui estudar. Tudo isso ocorreu entre 15:00 e 19:00. Às 22:30, fui dormir depois de uma noite entre os livros. Aproximadamente às 4:30 da manhã, o filho da puta do vizinho vem com mais barulho. Dessa vez, era um barulho natural. A peste estava vomitando. Eu sei que isso pode parecer estranho, mas da minha casa toda dava para ouvir a criatura vomitar. A única coisa que eu pensava era na morte dele. Sei lá... Quem sabe ele escorregava no banheiro, batia a cabeça no chão e se asfixiava no próprio vômito? Seria um alívio para mim, saber que eu não mais seria perturbada por ignorância sonora. Saí de casa umas 3 horas depois de ter sido acordada pelo tal do vizinho. Ao sair, uma ambulância se encontrava na casa ao lado. Curiosa, perguntei ao porteiro o que havia ocorrido.

- Ah, sabe o Felipe? Tava de ressaca, e hoje pela manhã estava vomitando sem parar. Foi ao banheiro e o chão estava molhado. Bateu a cabeça no vaso sanitário e se afogou no próprio vômito.

- Sério? Isso eu não imaginava...


Ouvindo: Uprising - Muse
Foto: Death Poops by stoopidartkid

5 comentários:

//dreamsgreen disse...

kkkkkkkkk³³ Você é muito vingativa!
Gosto de você mesmo assim, entretanto, de qualquer forma me lembrarei de não te fazer raiva durante seus momentos de TPM. Minha vida agradece!

Andreia disse...

Gosto do blog :)

Aranel Eärwen disse...

Cara, lembrei de outro post seu parecido. É o mesmo vizinho? Se for, mereceu. Se não, mereceu, também. Rs. Tenho vizinhos assim. Sei perfeitamente como se sente.
Beijos

Anônimo disse...

TENSO.

darsh. disse...

uau, estresse, omg.