sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Dizem que sou louco.


Eu devo admitir que sou uma pessoa chata. Chata não. Muito chata. Sou crítica e verdadeira. Quando me incomodo com algo ou alguém, explicito meu incômodo, mesmo sabendo que a pessoa possa ficar chateada ou não. Se não gosto de algum indivíduo, não tenho pena. Não gosto e pronto. Não fico tentando gostar. Se ele estiver interessado na minha amizade ou apenas coleguismo, ele que tente me convencer do contrário. Sou egoísta, interesseira e não tenho pena. Odeio pessoas lerdas. Assim como pessoas que não apresentam um gosto cultural bom. Isso pode parecer orgulhoso e preconceituoso. Mas é a verdade e ponto final. E se há um tipo de pessoa que realmente não suporto, é pessoa que tem acesso a cultura e sabe da história do Brasil, mas não dá a mínima. Simplesmente ignoram as conquistas dos estudantes e artistas na Ditadura Militar, e não vê semelhança entre esse acontecimento no país com o que ocorre em Honduras. Não gosto quando pessoas pegam minhas coisas sem pedir, nem quando colocam o cotovelo na minha mesa. É a minha mesa. Coloque o seu cotovelo na sua mesa ora bolas. Enjôo rápido da cara das pessoas. Principalmente se elas não mudam os assuntos. Enjôo até mesmo dos meus amigos. Por isso, em meus momentos de TPM ou simplesmente abusos, eles devem ficar meio afastados, ou correm o risco de levar sérios foras. Também não gosto de pessoas muito sonhadoras e ‘viajantes’. Ponha seus pés no chão. Não leia aquele livro de merda ‘O Segredo’, pois de segredo não tem nada. Quem não sabe que a força do pensamento dá certo? Tanto, que a árvore do meu vizinho morreu porque ela me atrapalhava estudar astronomia. Mas o que tenho de chata e crítica, eu tenho de legal sabe? Pode perguntar aos meus amigos. Tirando meus momentos pré-menstruais ou mesmo abusionais, sou carinhosa e amiga acima de tudo. Também gosto de ser fiel, porém em certos casos não fui. E apesar de tudo, não me arrependo pelas coisas que aprendi. Não suporto falsidade, e nisso eu não minto. Como disse anteriormente, se não gosto de uma pessoa, não gosto e pronto! Eu era de esquerda, mas agora me encontro neutra. Que nem a posição do Brasil no cenário político latino-americano. Sou engraçada e posso parecer metida. Sou só um pouco. Não desisto com facilidade se algo me chama atenção. Exemplo? Meu namorado. Que é a única pessoa que eu não consegui enjoar em um ano (tempo em que nos conhecemos). Se gostar de um álbum, escuto até enjoar. Se gostar de alguma comida, o mesmo. Digo que leio bastante, mas nem leio tanto assim. Não chega a ser bastante. Assisto filmes. Isso eu assisto. E fico na internet mais do que deveria. Gosto de estudar e isso realmente não é mentira. Eu me sinto bem estudando. Se não estudo, me sinto mal a ponto de ficar deprimida. Pode parecer maluco, mas é louco mesmo. Eu não me considero uma pessoa normal. Considero-me até esquisita. Mas eu sei que há pessoas como eu por aí, então não tem problema. Aliás, você deve ser meio louco assim que nem eu. Por que? Você chegou até a última linha desse texto.


Escutando: Wake up - Alanis Morissette

3 comentários:

Aranel Eärwen disse...

Nossa! Acabei de descobrir que sou louca. rs Deve ser por isso que gosto tanto de ti. Beijo

Yaas disse...

aah, acabei de descobrir que sou louca D:
e ainda mais, que tenho um monte de coisa em comum com você :D haha
beeeijos :*

Escritos segundo Maximo. disse...

Vc é isso aí tudinho Buguega, e por essa 'inconstância' é que te acho foda.

=*************** de caramelo