quarta-feira, 18 de março de 2009

Unintended choice


A luz fria da lua cheia invadia o quarto escuro,
Iluminando os dois deitados na pequena cama.
Ele sentia o corpo quente dela delicadamente deitado em seu peito,
Sentindo sua respiração calma e baixa.
Observou-a atentamente enquanto acariciava suas costas nuas.
Ela fazia seus dedos dançarem nos ombros dele,
Acompanhando a música que tocava a vitrola.
Aquela música de sua banda favorita.
Aquela música que sempre achou que cabia perfeitamente a ele.
E somente a ele.
Pela primeira vez em tanto tempo,
Ela sentia aquilo.
Aquela aproximidade.
Aquele sentimento.
Teve medo de enfrentar.
Talvez fosse fraca demais.
Porém resolveu tentar.
Talvez prender-se dentro de si,
E não deixar-se permitir,
Fosse o passo errado a fazer.
E antes que nada possa ser feito,
Decidiu jogar-se naquele grande oceano...


Mesmo que se afogue.


Escutando: Let me sign - Robert Pattinson (É uma música legal tá?)
Foto: your heart makes me feel by ~popsongs

5 comentários:

Anônimo disse...

Se jogar no mar sem emdo é bom, sem emdo de se afogar.
O máximo que pode aconetcer é engolir um pouco de agua, depoia que passa vcoê se sente renovada.

Tempo que não passava por aqui.
Saudades.

É sim uma boa música.

Yaas disse...

para chegarmos até a felicidade, precisamos nadar muito, e primeiramente, acreditar que conseguimos.
beeeijos :*
lindo post xuxu

Lívia Vasconcelos disse...

Proximidade, sentimento...
eu tenho medo dessas coisas.

Yaas disse...

pois é, nem tudo na vida precisa ser feliz para ser bonito.
As vezes um coração quebrado, é mil vezes mais bonito que um apaixonado.
beeeijos :*

darsh. disse...

ainda não me afoguei, nem tentei nada.

=/