quarta-feira, 15 de abril de 2009

Avião de papel


Sempre que estava ao seu lado, ela via um avião.
- Olha querido, um avião!
E apontava para o céu escuro e estrelado. Ele acompanhava seu dedo e também observava o pontinho brilhante se movimentando naquele breu. Ela adorava ver os aviões cruzando o céu. E era estranho perceber que sempre na presença dele, um avião navegava o céu acima de sua cabeça. Não era estranho saber que um objeto de mais de 1 tonelada estava voando, mas estranho porque ela lembrou-se de um texto que havia escrito mais de um ano atrás. Ao chegar em casa, ela abriu sua caixinha e viu o papel dobrado:

“Lá estava eu. Começo da noite. Sozinha. Na praça. Lendo.
Quando escuto, de repente, um som que simplesmente adoro. O som de turbinas de avião. Eu sempre imagino para onde este avião está indo... Está saindo do aeroporto ou está chegando à ele? Está indo para a Europa, Ásia? Ou está vindo de São Paulo, Curitiba?

Eu procurei, e procurei... Mas não encontrei o avião. Apenas podia escutar a música de suas turbinas. Ele deve ser que nem o amor. Posso ouvir, mas não consigo encontrar.”

Será que agora que ela via o avião, ela encontrara o amor? Depois de um tempo com a presença dele, talvez ela pudesse dizer que sim. Sentia-se bem ao seu lado. Coisa que não esperava. Sentia-se segura. Ela teve medo de se aproximar, e sabia que ele queria se aproximar a muito tempo. Decidiu aprender a fazer aviõezinhos de papel. Nunca aprendeu a fazer e agora parecia o momento certo. Depois de 2 aulas com seu amigo, fez numa folha que tinha sua música favorita, um aviãozinho mal feito. Mal feito porque não havia tempo para aperfeiçoar. Escreveu uma pergunta com canetinha vermelha nas asas do avião de papel branco e deu para ele. Por incrível que pareça, ele estava tão animado contando uma história sobre não-lembro-o-quê enquanto ela entregou o avião, que ele não conseguia ler as 3 palavrinhas escritas. E ela não conseguia acreditar na cena quando ele falou rindo:
- Vamos ver se seu avião voa
E ao falar isso, jogar o aviãozinho fazendo-o parecer um kamikaze encontrando o chão. Novamente ela não conseguiu acreditar e gritou:
- Pegue o avião seu idiota!
Quando ele finalmente leu as palavras escritas e a abraçou fortemente.

- Sim – ele disse.



[Quer namorar comigo? s2] (Em canetinha vermelha)

Foto: paper plane - I by *quelquechose
Escutando: Paper planes - I'm from Barcelona

4 comentários:

darsh. disse...

caramba. me diz que isso é real, por favor.



catei a imagem do café ali do lado. é a minha cara.

darsh. disse...

é a minha cara e é a mesma imagem do button na minha mochila.

darsh. disse...

vou te dizer: seu ato real me inspirou totalmente minha vida real. sério.

Puro rumor disse...

PEGA O AVIÃO IDIOOOOOOOOTA!!!

kkkkkkkkkkkkkkkkkk